JOSÉ DIAS PIRES

José Pires é natural de Castelo Branco, onde vive. Professor do ensino básico e do ensino superior, foi fundador do Centro de Alfabetização de Castelo Branco, do Grupo de Teatro Gente Nova e do Grupo de Animação Cultural Amato Lusitano, é dirigente, e integra o coletivo do VAATÃO — Teatro de Castelo Branco, para o qual escreveu Figuras, Figurões e Figurantes; Palavras Viageiras e Lusiagem — a Dúvida do Deuses. Assume ainda, desde a primeira edição, a função de Comissário do Festival Literário de Castelo Branco. Desde 2011 que se tem dedicado à tradução, contando com mais de quarenta títulos traduzidos, entre literatura infantil e História. É autor de, entre outras obras, Reversos (1975), Manifesto do Imaginário (2000), Sonhar com Comenius (2005), Os Lápis Transmaginadores e os Segredos do Castelo Azul (2007), A Viagem (2008), As Cadeiras de Tiago (2009); Travalengas (2015) e Lamento e Testamento de Maria Gomes (2016).